Projeto Underworlds

Nós imaginamos um futuro em que o esgoto é extraído para obter informações em tempo real que possam informar tanto os decisores políticos, profissionais de saúde, designers quantos os pesquisadores.

Essa é a idéia por trás do projeto Underworlds, uma plataforma de dados abertos inter-disciplinar para monitorar padrões de saúde urbana, moldando estratégias de saúde pública mais abrangentes e empurrando os limites da epidemiologia urbana.

Lançado pela SENSEable City Lab e a Aml Lab, patrocinado pelo MIT-Kuwait Center for Natural Resources and the Environment, é uma plataforma protótipo de esgoto inteligente que está sendo desenvolvida no MIT e consiste em infra-estrutura física, tecnologias de medição bioquímicas e as ferramentas computacionais e análises necessárias para interpretar e agir sobre os nossos resultados à jusante.

O projeto Underworlds é o primeiro de seu tipo, uma prova do conceito de que as cidades podem fazer uso de seu sistema de águas residuais para fazer em tempo quase real epidemiologia urbana e entender a saúde humana e seu comportamento com uma resolução espaço-temporal. Provavelmente, a primeira aplicação mais óbvia da tecnologia de esgoto inteligente é a vigilância das doenças infecciosas e a previsão de surtos.

Alertas precoces em relação à presença de novas estirpes de gripe nos centros urbanos poderia reduzir significativamente os custos médicos de uma comunidade e até mesmo ajudar a mitigar os surtos. Além disso, o esgoto inteligente poderia impactar o doenças não transmissíveis na forma em que são estudadas, como biomarcadores para doenças como obesidade e diabetes que possam ser medidos em escala sem precedentes e com resolução temporal.

As implicações desta plataforma estendem para além da supervisão apenas das doenças para o desenvolvimento de um novo tipo de recenseamento da população humana. Analisados ​​em conjunto com os dados demográficos, esta plataforma pode estudar a saúde global de uma cidade para a saúde particular de um bairro.

Underworlds vai estudar a geografia urbana, topologia de rede e distribuição demográfica em conjunto com as cargas de águas residuais ao longo do tempo, propor e validar um modelo que informa a amostragem de águas residuais e se correlaciona com amostras populacionais alvo. Juntamente com o Departamento de Obras Públicas Público, este trabalho já começou com um estudo piloto em Cambridge.

Deixe um comentário